08 abril 2010

Muito acima da cabeça

Aquele arrepio na alma -melancólica alegria- ao ver a luta da chuva com o primeiro anúncio do verão, a quase friagem do vento em rebuliço, com os pés na terra e a cara pra cima, procurando biribá maduro -agora que não tem manga e goiaba- e, ao mesmo tempo, uma fisgada de preocupação com estiagem ainda no início de abril, o que pode significar verão longo e grande seca, de que minha capoeira rala não necessita. Mas tudo calmo e cheio de sentido.
à noite, entretanto, com imagens de temporais no Rio, quebram-se outra vez a calma e o sentido.
Mais um dia de silêncio, portanto. Mais um dia.

6 comentários:

Nilo Sérgio disse...

Toinho, parece que o Glauber tinha razão: "A terra em transe".
Enquanto isso, teremos o lançamento do livro "Relicário - Imagens do Sertão", do Edson Lodi, neste dia 14 de abril, à noite, acho que na Assembléia. Você já viu, Toinho?
abs
Nilo

Miolo de Pote disse...

tempos há de paz e recolhimento...
tempos há de de caminhar e lutar...
Seres determinados que somos...
ouvimos o rugir dos temporais...
e desafiamos os raios...
Até que o próximo São João traga a mais longa noite do ano e possamos retomar o plantio do roçado...
E por mais que o peito sonhe a paz... O que fazer senão ouvir e clamor do tempo e nos pormos a caminho...

Marina disse...

Gosto d`aquilo que me desperta emoções, quer boas ou ruíns. Não aceito, por motivo algum, a indiferença.

Estive revisitando "O espirito da coisa", e lembrei do quanto gosto da maneira que vc passa seu recado, e como é mestre em despertar emoções,rs

Marina Jardim

Válber Lima disse...

O tempo tá bom pra olhar saturno. Este ano ele aparece à noite e está mais brilhante que nunca em céus de brigadeiro, Miolo de Pote. Alias, alguém sabe onde se consegue o livro "A Represa". Salva aí Marcus Vinícios.

Miolo de Pote disse...

Saturno né? O mais velho dos Deuses do Olimpo. Isso deve significar alguma coisa. Pena que não sei ler estrelas e planetas, apenas segui-las...
Válber. Eu mesmo nuca tive um exemplar original de "A Represa" em minhas mãos. Na verdade li esse livro em uma xerox incompleta que teima em se esconder de mim em algum lugar de minhas estantes transbordantes de papel.
Mas, sem compromisso, acho que a professora Laélia da UFAC deve ter acesso a algum exemplar desse livro tão extraordinário quanto maldito (se não me engano, uma vez conversei com ela sobre isso).
Outra que talvez tenha o dito seja a professora Robélia... Vou assuntar com esta e se ela tiver te dou um toque...

Válber Lima disse...

Valeu, Marcos Vinícius! É que eu tô finalizando um TCC. E um dos capítulos é sobre a História da Adminstração Pública no Acre. Depois que li 'A Conquista do Deserto Ocidental' e 'O Paraíso Perdido' fiquei maravilhado, e lembrei das referências citadas por vc sobre esse outro livro 'A Represa' (li sobre a entrevista que vc fez com o autor). Bom, de qualquer forma acho que todos esses livros estão muito longe das livrarias, até nas bibliotecas são difíceis de encontrar. Pelo menos deveria haver um site de domínio público só com essas maravilhas escritas sobre a história do Acre. Né não! abraço Marcos e saudações Toinho, por esse belo espaço onde sempre se pode encontrar um bom papo e boas companhias.