16 agosto 2010

Sede sem sede

Meia noite, meio dia, o tempo de ver a Terra. Com o alívio de duas chuvas, a grama verde desponta por baixo do tapete de folhas secas pintado de amarelo, aqui e acolá, pelas flores que caem dos ipês. Mas o tempo é quente e ainda há fumaça encobrindo o céu. O açude pela metade. Os cajueiros entre flor e fruto, não sei se indo ou voltando, os passarinhos não respondem. E o ipê velho, no alto da Terra, domina e amplia a paisagem com sua luz de ouro que só se mostra nas grandes secas -como esta, como aqueloutra. A cacimba é boa e dá água limpa.
.
Seco está o coração desse povo que encontro na cidade, com medo do olhar dos outros, com medo de seu próprio olhar. Marina é a medida de um esforço pela sanidade, é a parte que escapa do auto-engano, indulgência, oportunismo, hipocrisia, cinismo, todas as moedas em circulação no mercado da política. Os outros candidatos são bonecos, os que fazem campanha para eles também. Todo mundo sabe disso, mas a maioria busca na vitória eleitoral uma compensação para a derrota moral.
.
Peçam-me água. Não me peçam voto.

11 comentários:

Anônimo disse...

Entristece-me que voce esteja triste, amargo. Entristece-me que essa amargura seja tào maniqueista: "a minha candidata é sanidade e os outros sào bonecos". Entristece-me esse moralismo de parte, esse coraçào partido. Ha' um ano atràs tinhamos falado dessa eleiçào, o clima era outro, menos seco, menos àrido. Ai estào se desenrolando so' alguns dos fatos que tinhamos elocubrado. Outros nào. Outros outubros virào. Abraço amigo NN

Antonio Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Antonio Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Antonio Alves disse...

Caro NN, peço licença para remover os demais comentários que fiz e tuas respostas. Estão salvos, se quiseres posso republicá-los. Acho que não expressei corretamente meu humor que, creia, não está triste nem amargo. Na tentativa de parecer mais abusado do que sou, talvez tenha até infringido a lei eleitoral. Até aí tudo bem. Só não posso deixar que prospere qualquer mal entendido a respeito de nossa amizade. Aceito tua crítica e retiro a réplica. Na paz e no bem.

Simone Bichara disse...

Parabéns! O seu espaço é muito lindo e a sua palavra sensível.
Grande abraço,
Simone Bichara

Luiz Algarra disse...

Essa coisa de campanha! De fazer por amor. Com poesia e crença. Se sabendo sabedor do valor do candidato. Falando com sua voz na voz de outro, por amor a uma terra, uma causa. Isso de viver uma campanha de verdade, na verdade. Como tudo isso é importante "seu" Toinho!

Gostei de te ver nesse fazer maduro com alma de criança. Queria ver muitos brasileiros fazendo campanha assim. Prá todos os partidos e candidatos! Como seria bom dar voz e vez, cada vez mais, àqueles que crêem no que dizem.

Mas o ceú de nosso país tá cheio de mercenários. Rifles de aluguel numa linguagem de comunicação enlatada e hipnótica que só quer fazer trocar o pensamento da população. Gente movida por interesses pequenos, por grana, carro, casa e cargos.
Então cuidado passarinho! Que em teu vôo de fé, para muito além das terras acreanas, não te colidas com estes obuzes que explodem no céu. Endurecer, sem perder a ternura? Parecia ser só um jargão, mas acabou por se tornar um bom conselho.

E por falar em conselho não tome meu comentário como um. Digo que é mais uma benção, ou mais simples, uma torcida para que independente do resultado da corrida e da crueza da pista, depois de outubro o amigo possa seguir desfrutando da candura de olhar terra, céu e gentes com o mesmo entusiasmo de sempre.

abs fraternos

Luiz Algarra

Marisa Fontana disse...

Eu fico tentando não separar a Marina dos outros, mas não consigo. Ela é ímpar e sempre me surpreende com sua capacidade política. Assisti a entrevista da Dilma no Jornal da Globo, longe do palanque. Chega um momento que os entrevistadores não tinham muito o que perguntar. Dava para perceber o vazio. Assisti o começo da entrevista com o Serra e dormi. Acho que estava cansada. Assisti a Marina, procurei ser crítica. Mas a conversa estava tão boa, educativa, que desperta o diálogo, dava claramente para perceber conteúdo, profundidade, pouco presente em quem se apoia em frases feitas e de efeito. Nesse sentido, acho que seu texto não é rancoroso, mas denuncia uma realidade injusta e que nos deixa indignados.

Anônimo disse...

Querido amigo
Tudo bem, tudo em paz. Os comentarios sao curtos e a amizade longa. Fizestes bem em retirar esses comentarios que estarao melhor no lixo da nossa historia. Nenhum senao. Abraços maiores que antes. Teu NN

luciahelena disse...

Antonio,
Gostei, gosto sempre dos textos que tu elaboras - quase crônicas pequeninas; como se nessas horas os sóis da Terra o inspirasse e, de repente, o seco se transmuta em molhado.
Nestes momentos, pareces fazer bordados das palavras.
Gostei de todo o texto, o qual nem de longe sugere estado de espírito triste e amargo.
Um retrato bordado de como anda a chamada política com p minúsculo em nosso país.
Gostei mais ainda do que tu escreves a respeito de quem está supostamente ganhando nas pesquisas eleitorais (ou eleitoreiras).
Quando vc diz da grandeza de MARINA, quando muitos ainda não perceberam porque "[...] a maioria busca na vitória eleitoral uma compensação para a derrota moral.".
Abraços marinensens,
LU