15 junho 2012

fonte


Pergunta: É por paixão que fazeis conferências? Não vos cansais de falar? Por que o fazeis?


KRISHNAMURTI: Folgo de terdes feito esta pergunta. Ora, se amais uma pessoa, nunca vos cansais dela –isto é, se amais sem estar buscando nenhum resultado, sem estar desejando algo. Quando amais uma pessoa, não há autopreenchimento e, por conseguinte, nunca há desapontamento, nunca há fim. Por que estou fazendo isto? Isso é o mesmo que perguntar por que a roseira dá rosas, por que o jasmim dá perfume, ou por que a ave voa.

Vede, eu já experimentei não falar, para ver o que acontece se não falo. Isso também dá certo. Entendeis? Se falais porque com isso ganhais alguma coisa –dinheiro, recompensa, sentimento da própria importância- então há cansaço, vosso falar é então destrutivo e nada significa, porque é só autopreenchimento. Mas, se há amor em vosso coração, e vosso coração não está repleto das coisas da mente, ele é então como uma fonte, uma nascente, de onde brota eternamente água fresca.

(A Cultura e o Problema Humano - Ed. Cultrix)

3 comentários:

Mariana disse...

voltando a ativa em alto estilo
grata pela leitura
ontem postei algo no meu também, metendo a colher na conversa petroleira, bem-acompanhada, como verás
bjs, mariana

Socorro Fonseca disse...

Coisa boa.
O teu coração está repleto das coisas boas da tua mente. E essa fonte vai amenizar a minha sede. Tu sabes disso. Estou feliz.

Plínia Campos disse...

Saudades das suas histórias. Muito bom ler no tempoalgum o Toinho Alves poeta poetinha camarada.